quinta-feira, 7 de julho de 2016

Obrigada Aristóteles!


A ler sobre ética (e descontextualizando completamente este excerto) sinto-me enquadrada.

"No que respeita a virtudes morais (prudência, justiça, coragem, temperança), Aristóteles caracteriza cada uma como um meio entre os dois extremos do excesso e da deficiência. Uma pessoa corajosa, por exemplo, não é nem imprudente (um excesso) nem cobarde (uma deficiência); uma pessoa corajosa tem a correcta disposição para assumir os riscos e para, ao mesmo tempo, recear proceder dessa maneira."
Humberto D. Rosa, em Bioética para as Ciências Naturais

Sou só corajosa. Obrigada Aristóteles!

2 comentários:

frascodememorias disse...

Gostei mesmo da definição!
Também me encaixa!

Raquel Úria disse...

:)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...